Dicionário da Inclusão

Dicionário da Inclusão

Lançamos oficialmente nosso projeto Espaçolaser Abraça, de inclusão de pessoas com deficiência intelectual, no mês de setembro pois ele também é conhecido como Setembro Verde, em que há todo um movimento e esforço para dar visibilidade à inclusão social das pessoas com deficiência. Atualmente, 45,6 milhões é o número de pessoas com deficiência no Brasil. Ou seja, 1 em cada 4 brasileiros têm alguma deficiência. Por isso, além de desenvolvermos um projeto inclusivo, sentimos a necessidade de tratarmos mais de inclusão, acessibilidade e comunicação inclusiva.

O conhecimento de conceitos e o uso de termos e expressões corretos é essencial não só para o exercício de empatia, mas para a efetividade da própria inclusão. Então, vamos aprender?

Acessibilidade
É a possibilidade e condição de utilização, com segurança e autonomia, de espaços, mobiliários, equipamentos urbanos, edificações, transportes, informação e comunicação por pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. Para a maioria das pessoas, a acessibilidade torna a vida mais fácil. Para pessoas com deficiência, a acessibilidade torna as coisas possíveis.

Comunicação inclusiva
Também entendida como comunicação não-violenta e sem barreiras, que pode ser acessada, compreendida e utilizada com autonomia pelo maior número possível de pessoas. Exemplos de boas práticas: usar fontes em tamanho grande e simples; evitar cores muito claras nos textos; utilizar linguagem simples, com palavras do dia-a-dia; dar preferência ao uso de frases curtas e objetivas; colocar legendas em vídeos.

Deficiência auditiva
Perda total ou parcial (pessoas ensurdecidas) ou ausência total da audição. Nunca devemos nos referir a uma pessoa com deficiência auditiva como surdo-mudo ou surdinha.

Deficiências biopsicosociais
São as doenças e transtornos mentais, como dislexia, esquizofrenia, TEA (transtorno de espectro autista), TOC (transtorno obsessivo compulsivo), síndrome de asperger. Não devemos usar termos como doida, maluca, retardada, esclerosada, atrasada, especial.

Deficiência física
São as paralisias, ostomias, próteses, nanismo, paralisia cerebral, malformações congênitas. Sempre devemos referir que a pessoa é deficiente. E nunca usar termos discriminatórios como aleijada, manca, paralisada, torta, coxa, defeituosa, anã.

Deficiência intelectual
Síndrome de down, síndrome de angelman, síndrome de rett, erros inatos do metabolismo (como fenilcetonúria). Nunca devemos nos referir a uma pessoa com deficiência intelectual como especial, excepcional, mongolóide, debilóide, débil mental, autista.

Deficiência visual
Cegueira, baixa visão, daltonismo. Nunca devemos nos referir a uma pessoa com deficiência visual como cegueta, ceguinha, estrábica, vesga, daltônica.

Descrição de imagem
Muito utilizado nas redes sociais e conhecido pelas #pracegover ou #pratodosverem, é um recurso que descreve as imagens utilizadas na comunicação e que dessa forma, permite que os aparelhos com leitores de tela transformem o texto e a imagem em áudio.

Libras
Libras foi reconhecida como meio oficial de comunicação e expressão para as pessoas com deficiência auditiva. Este é um recurso muito conhecido e pode ser utilizado tanto em eventos presenciais e online, como em materiais de comunicação, como vídeos e transmissões. 

Neutralidade de gênero
Comunicar as informações de forma neutra, sem direcionar a um gênero binário. Exemplos:
a. Optar por usar “pessoas”: Todas as pessoas aprovaram o projeto
b. Usar substantivos com ideia de “grupo” e neutros: Toda a diretoria aprovou o projeto
c. Deixar o sujeito oculto: O projeto foi aprovado

Pessoa com deficiência 
Aquela que possui impedimento de longo prazo de natureza física, intelectual, mental ou sensorial. Uma vez que a deficiência é uma condição do indivíduo, o correto é usarmos a expressão pessoa com deficiência. E não usar expressões como: pessoa com necessidades especiais (PNE), portadora de deficiência, portadora de necessidades especiais, deficiente, incapaz, incapacitada, inválida. Da mesma forma, evitar adjetivos como guerreira e superação. O correto é: pessoa com autismo, pessoa com nanismo, pessoa com síndrome de down.

Fonte: UDiversidade Corporativa